A testemunha é quem diz ‘eu sei’. A pessoa diz ‘eu faço’. Dizer ‘eu sei’ não é uma inverdade, é apenas limitado. Mas dizer ‘eu faço’ é totalmente falso, pois não há ninguém que faça coisa alguma. Tudo acontece por si só, inclusive a ideia de que se é o agente. O universo é cheio de ação, mas não há ator. Permaneça como a pura testemunha, até que mesmo o testemunhar acabe por se dissolver no Supremo. A dissolução da personalidade é sempre seguida por uma grande sensação de alívio, como se uma carga pesada houvesse sido removida. Na realidade, há um único estado. Quando distorcido por autoidentificação, ele é chamado de pessoa. Quando colorido por um senso de ser, ele é a testemunha. E, quando incolor e ilimitado, ele é chamado de Supremo.

Nisargadatta Maharaj

Eu sou Aquilo

Antes de poder começar a ser o que é,
Você precisa deixar aquilo que não é.

Você não é aquelas velhas opiniões,
Aqueles pensamentos móveis,
Aqueles sentimentos mutáveis,
Aquele ego separado.

Muito bem, então, o que é você?

Quando tiver deixado de lado
O que não é, você verá que
Os pássaros nas árvores
Estão cantando para você:
— Eu sou Aquilo.
Que a água no riacho
Borbulha para você:
— Eu sou Aquilo.
Que o sol e a lua são como
Faróis brilhantes para você:
— Eu sou Aquilo.

E você verá que está
Em tudo o que há no mundo,
E que tudo o que há no mundo
Está em você.

(Poema de Shantanand Sarasvati, lido por Rupert Spira)

Na verdade, o corpo não existe, é apenas um estado da mente. Sem consciência, o corpo não sobreviveria um segundo sequer. Há no corpo uma corrente de energia, afeição e inteligência que guia, mantém e energiza o corpo. Descubra essa corrente e permaneça nela. É claro que tudo isso é uma maneira de dizer. As palavras são tanto barreiras quanto pontes. Encontre a fagulha de vida, que tece os tecidos do corpo, e permaneça nela — a única realidade que o corpo tem. O tecer está no tempo, mas a vida em si é intemporal. Seja qual for o nome que você dê a suas expressões, ela é como o oceano, que nunca muda, e que muda sempre.

Nisargadatta Maharaj

PARAMAHAMSADEVA: “Quero saber como você medita. Quando eu meditava debaixo do marmeleiro-da-índia, costumava ter várias visões, bem nítidas. Um dia, na minha frente, eu vi dinheiro, um xale, uma bandeja de sandesh e duas mulheres. Perguntei para minha mente, ‘Mente, você quer alguma dessas coisas?’ Vi que o sandesh não passava de uma imundice. Uma das mulheres tinha uma grande argola no nariz. Eu conseguia ver por dentro e por fora delas – entranhas, sujeira, ossos, carne e sangue. A mente não quis nada daquilo – nem dinheiro, nem xale, nem doces, nem mulheres. Continuou concentrada nos Pés de Lótus de Deus.

Letra N

Nāda – A Palavra-Brahman, Om.

nahabat – Uma torre musical.

Naishādha – Famoso tratado sânscrito, de autoria de Sriharsha.

Nānak – Fundador da religião Śikh e primeiro dos dez Gurus dos Śikhs. Nasceu em Punjab em 1469, e morreu em 1538.

Nanda(gosh) – Pai adotivo de Sri Krishna.

Nandi – Um seguidor de Śiva.

Nangtā – (Lit., o Desnudo) Sri Ramakrishna assim se referia a Totapuri, o sannyāsi que o iniciou na vida monástica e que vivia nu.

Não-dualismo Qualificado – Escola da Vedānta fundada por Rāmānuja, segundo a qual a alma e a natureza são modos de Brahman, e a alma individual é parte de Brahman.

Nārada – Grande sábio e adorador de Deus da mitologia hindu.

Nārada Pancharātra – Escritura do culto Bhakti.

Naralīlā – Deus manifesto como homem.

Nārāyana – Um dos nomes de Vishnu.

Nārāyani – A Consorte de Nārāyana; um dos nomes da Mãe Divina.

Narendra(nath) – Discípulo de Sri Ramakrishna, mais tarde mundialmente conhecido como Swami Vivekananda.

Nareschandra – Poeta místico bengalês.

Narmadā – Rio da Índia central, que corre para o Mar da Arábia.

nātmandir – O salão espaçoso sustido por pilares na frente de um templo, cuja função é abrigar apresentações de música devocional, reuniões religiosas etc.

Navadvip – Cidade bengalesa onde nasceu Sri Chaitanya.

Navavidhān – (Lit., a Nova Dispensação) O nome do Brāhmo Samāj, organizado por Keshab Chandra Sen, depois de sua discordância com o Brāhmo Samāj.

nax – Um jogo de cartas.

neem – Árvore de folhas amargas.

“Neti, neti” – (Lit., “Isto não, isto não”) O processo negativo do discernimento, defendido pelos seguidores da Vedānta não-dualista.

Nova DispensaçãoVer Navavidhān.

ni – A sétima nota da escala musical indiana.

Nidhu Babu – Compositor conhecido por suas melodias suaves.

NidhuvanVer Bosque Nidhu.

Nikashā – Mãe de Rāvana.

nikunja – Caramanchão.

Nimāi – Apelido familiar de Sri Chaitanya.

Nimāi-sannyās – “A Renúncia de Chaitanya”; uma peça que retrata como Sri Chaitanya abraçou a vida monástica.

Niranjan(a) – (Lit., O Imaculado) Um dos nomes de Deus; também um dos discípulos íntimos de Sri Ramakrishna.

nirguna – Sem atributos.

Nirguna Brahman – (Lit., Brahman sem atributos) Termo usado para nomear o Absoluto.

Nirvāna – A absorção final em Brahman, a Realidade Onipresente, pela aniquilação do ego individual.

nirvikalpa samādhi – O estado mais elevado do samādhi, no qual o aspirante realiza sua total unidade com Brahman.

nishthā – Devoção ou amor unidirecionados.

Nitāi – Apelido carinhoso de Nityānanda.

Nitya – O Absoluto.

Nitya-Kāli – Um dos nomes da Mãe Divina.

nityakarma – Rituais religiosos que um chefe de família deve fazer todos os dias, mas que não são obrigatórios para o sannyāsi.

Nityānanda – (Lit., Bem-aventurança Eterna) Nome de um querido discípulo e amigo de Sri Chaitanya.

nityasiddha – (Lit., eternamente perfeito) Termo usado por Sri Ramakrishna para designar seus jovens discípulos dotados de grande poder espiritual.

Nrisimha – (Lit., Homem-leão) Encarnação Divina mencionada no Purāna.

Nyāya – Lógica indiana, um dos seis sistemas da filosofia ortodoxa hindu, fundada por Gautama. Ver darśanas.

Tudo acontece como tem de acontecer, e, no entanto, nada acontece. Faço o que parece ser necessário. Ao mesmo tempo, sei que nada é necessário, que a própria vida não passa de um faz-de-conta. Nada é feito por mim, tudo simplesmente acontece. Nada espero, nada planejo. Apenas assisto aos acontecimentos, sabendo que são irreais. Há algo imutável, imóvel, inamovível, pétreo, inexpugnável, uma massa sólida de puro Ser-Consciência-Felicidade. Nunca estou fora dela. Nada pode me tirar dela, nenhuma tortura, nenhuma calamidade. Há paz — profunda, imensa, inabalável.

Nisargadatta Maharaj

O mundo é apenas um espetáculo reluzente e vazio. Ele é, e, no entanto, não é. Existe enquanto eu quiser ver e tomar parte nele. Quando deixo de me interessar por ele, o mundo se dissolve. Ele não tem causa e não serve a qualquer propósito. Simplesmente acontece quando estamos distraídos. Não há profundidade nele, nem significado. Apenas o observador é real.

Nisargadatta Maharaj