Quando acordei neste 1º de maio, buzinas, gritos ferozes e o hino-bufo desta nação queria cagar na cabeça do meu dia. Mas não. Peguei a caixa de som e pus minha lista de queridas no shuffle. E, de repente, dentro de casa, havia enfim a felicidade de domingo que a burrice e a violência pretendiam roubar. Aqui, agora, eles simplesmente não existem mais. Então, fica a dica. Esta: a de cultivar um pouquinho de alegria em vez de ir ao encontro da infelicidade que os ignorantes não soltam jamais. A dica não é pra ser um ato de resistência, não um gesto político, não. É só pra fazer feliz o ambiente, nossa casa, nossa gente. O mundo está precisando de alegria. Querem matar a democracia, cogitam bombas nucleares, mexem tanto no clima que podemos estar rumando para a extinção – porque o serumanito é tão ridículo, tão criançola, tão bunda-suja e regredidão que talvez não tenha mesmo salvação. Mas hoje não! Hoje estão tocando as preferidas no shuffle, e eu sinto uma onda de alegria entrando pelas janelas vizinhas. Um bom dia pra você!

Assim como a mariposa jamais toca a chama que procura, mas, em vez disso, morre nela, o eu aparentemente separado nunca encontra a paz e a felicidade pelas quais anseia, pois acaba por se dissolver nelas.

Rupert Spira

Trechos de “Temperamentos Transformados”, de Tim Lahaye

▪️O mais rico de todos os temperamentos é o melancólico. Esse, em geral, possui mente privilegiada e uma tremenda capacidade de experimentar toda gama de emoções. O maior perigo está em se entregar a pensamentos negativos que exagerem suas tendências pessimistas. 

▪️Alguns dos maiores gênios do mundo foram melancólicos superdotados, que desperdiçaram seus talentos em crises de angústia profunda, tornando-se apáticos e pouco produtivos.

▪️Esse temperamento é, de todos, o mais talentoso. É perfeccionista por natureza, muito sensível e apreciador das belasartes, analítico, abnegado e amigo leal. Em geral não é extrovertido e raras vezes se impõe. Ao lado de seus dotes excepcionais existem também fraquezas igualmente complexas, que muitas vezes se neutralizam. Esse caráter tende a ser genioso, crítico, pessimista e egocêntrico. 

▪️Os grandes artistas, compositores, filósofos, inventores e teóricos do mundo foram, em sua maioria, melancólicos.

▪️Um dos marcos característicos do temperamento está no desejo de sacrificar-se. Os indivíduos muito melancólicos encontram dificuldades em aproveitar o conforto ou o sucesso sem sentir algum complexo de culpa. Possuem, com frequência, a inclinação de dedicar-se a causas que exijam grande privação pessoal.

▪️Embora os talentos inatos do melancólico sejam provavelmente maiores do que os dos demais temperamentos, eles são muitas vezes negligenciados devido a um excessivo sentimento de inferioridade. Como são perfeccionistas, é raro se satisfazerem tanto com as próprias realizações quanto com as alheias, porque seus altos padrões de perfeição são difíceis de atingir.

▪️O fracasso é uma experiência devastadora para os melancólicos. Desse momento em diante, seus sentimentos de inferioridade aumentam, e eles passam a ter pavor de fazer qualquer nova tentativa, para que não se repitam os resultados desastrosos.