শ্যামা মা কি আমার কালোরে?
শ্যামা মা কি আমার কালো?
লোকে বলে কালি কালো
আমার মন তো বলেনা কালোরে
কালো রূপে দিগম্বরী
কালো রূপে দিগম্বরী
হৃদিপদ্ম করে মোর আলোরে
শ্যামা মা কি আমার কালো?

‘At the end of the Ramayana,’ he said, ‘all the animals who had helped Ram to win the war were given rewards. The monkeys were all told that they could go to a monkey heaven. Now, what is heaven to a monkey? Vast quantities of food, lots of fighting, and limitless sex. So, all the monkeys were reborn as human beings in the West in the twentieth century to experience their idea of “heaven”. After some time, though, they all began to get bored of all this excess. One by one, they all started coming back to India because they wanted to find Ram and be with him again.’


Seria Kali, minha mãe, realmente negra?
Essa mulher nua, da cor mais escura,
Ilumina o lótus do coração

As pessoas dizem que Kali é negra
Mas minha mente diz que ela não é assim
Como pode ser escura, se ilumina o mundo?

Às vezes, ela é branca,
Noutras vezes, ela é azul
E, noutras, é amarela ou vermelha

Eu não sei quem ela é
Eu não sei com que ela se parece
Passei minha vida tentando entendê-la

Às vezes, ela é o Absoluto
Às vezes, é o Relativo
E, noutras ainda, ela é sem forma

Pensando em tudo isso,
Kamalakanta, o poeta,
Acabou enlouquecendo…

*****

Shyama Ma ki amar kalo re
Shyama Ma ki amar kalo

Loke bole Kali Kalo
Loke bole Kali Kalo
Amar mon to bole na kalo re
Shyama Ma ki amar kalo re
Shyama Ma ki amar kalo

Shyama Kokhono Swheto
Kokhono Peeto
Kokhono nilo-lohito re
Kokhono Swheto
Kokhono Peeto
Kokhono nilo-lohito re

Ami age nahi jani
Kemono Jononi
Age nahi jani
Kemono Jononi
Bhabhye janomo gelo re
Shyama Ma ki amar kalo re
Shyama Ma ki amar kalo

Shyama Kokhono Purusha
Kokhono Prakriti
Kokhono Sunnyo-rupa re
Kokhono Purusha
Kokhono Prakriti
Kokhono Sunnyo-rupa re

Mayer e bhabo bhabiye Komolakanto
E bhabo bhabiye Komolakanto
Shohoje pagolo holo re
Shyama Ma ki amar kalo re
Shyama Ma ki amar kalo

Loke bole Kali Kalo
Amar mon to bole na kalo re
Shyama Ma ki amar kalo re
Shyama Ma ki amar kalo

Dakshineswar Bhavatarini Kali

Alguns creem que só um grande poder é capaz de conter o mal. Mas não foi isso que eu descobri. São os pequenos atos cotidianos das pessoas comuns que mantêm a escuridão distante. Pequenos atos de bondade e amor.

Gandalf, o Cinzento

A testemunha é quem diz ‘eu sei’. A pessoa diz ‘eu faço’. Dizer ‘eu sei’ não é uma inverdade, é apenas limitado. Mas dizer ‘eu faço’ é totalmente falso, pois não há ninguém que faça coisa alguma. Tudo acontece por si só, inclusive a ideia de que se é o agente. O universo é cheio de ação, mas não há ator. Permaneça como a pura testemunha, até que mesmo o testemunhar acabe por se dissolver no Supremo. A dissolução da personalidade é sempre seguida por uma grande sensação de alívio, como se uma carga pesada houvesse sido removida. Na realidade, há um único estado. Quando distorcido por autoidentificação, ele é chamado de pessoa. Quando colorido por um senso de ser, ele é a testemunha. E, quando incolor e ilimitado, ele é chamado de Supremo.

Nisargadatta Maharaj