Trechos de “Temperamentos Transformados”, de Tim Lahaye

▪️O mais rico de todos os temperamentos é o melancólico. Esse, em geral, possui mente privilegiada e uma tremenda capacidade de experimentar toda gama de emoções. O maior perigo está em se entregar a pensamentos negativos que exagerem suas tendências pessimistas. 

▪️Alguns dos maiores gênios do mundo foram melancólicos superdotados, que desperdiçaram seus talentos em crises de angústia profunda, tornando-se apáticos e pouco produtivos.

▪️Esse temperamento é, de todos, o mais talentoso. É perfeccionista por natureza, muito sensível e apreciador das belasartes, analítico, abnegado e amigo leal. Em geral não é extrovertido e raras vezes se impõe. Ao lado de seus dotes excepcionais existem também fraquezas igualmente complexas, que muitas vezes se neutralizam. Esse caráter tende a ser genioso, crítico, pessimista e egocêntrico. 

▪️Os grandes artistas, compositores, filósofos, inventores e teóricos do mundo foram, em sua maioria, melancólicos.

▪️Um dos marcos característicos do temperamento está no desejo de sacrificar-se. Os indivíduos muito melancólicos encontram dificuldades em aproveitar o conforto ou o sucesso sem sentir algum complexo de culpa. Possuem, com frequência, a inclinação de dedicar-se a causas que exijam grande privação pessoal.

▪️Embora os talentos inatos do melancólico sejam provavelmente maiores do que os dos demais temperamentos, eles são muitas vezes negligenciados devido a um excessivo sentimento de inferioridade. Como são perfeccionistas, é raro se satisfazerem tanto com as próprias realizações quanto com as alheias, porque seus altos padrões de perfeição são difíceis de atingir.

▪️O fracasso é uma experiência devastadora para os melancólicos. Desse momento em diante, seus sentimentos de inferioridade aumentam, e eles passam a ter pavor de fazer qualquer nova tentativa, para que não se repitam os resultados desastrosos.

‘Fantasia!’, diz o homem que lê Fatos ao homem que lê Ficção, desconhecendo que fatos são fantasia — mesmo que não o sejam na hora em que são escritos, eles o são na hora em que são lidos.

Barry Stevens

USP – 1994

Esta é uma página do TCC que apresentei à USP em 1994, ano do tetra e da morte de Senna. A monografia era sobre doença mental, e a imagem acima é xerox do caderno que foi levado a campo nessa reportagem diferente. Sete páginas desse caderno, com desenhos e frases minhas e dos pacientes, foram incluídas como apêndice da monografia. O pdf desse trabalho, chamado Os olhos da loucura, pode ser baixado aqui.

Sonho n° 54

Castrado

Sonho que estou numa pousada de quartos coletivos. Acordo pela manhã e saio para ir ao banheiro, também coletivo.

Passando pelo corredor, há um dormitório com a porta aberta. Quero ver se há alguma mulher bonita ali. E, de fato, há uma moça de calcinha, de bruços na cama. Fico excitado, mas infelizmente ela é muito jovem para mim.

Perto do banheiro, há uns cachorros poodle. Um deles morde o dedão do meu pé esquerdo, de um jeito dolorido. Não solta, fica rosnando. Demora um tempo até que ele se acalme e me solte.

As mulheres na porta do banheiro perguntam distraídas o que houve. Eu mostro o dedão, que me parece muito machucado. Mostro na expectativa de que elas se compadeçam de mim. Mas elas parecem não ligar.

Pergunto se alguém está usando o banheiro. Uma delas diz que está dando banho na filha, portanto não posso entrar. Fico agastado porque aquele é um banheiro masculino. Mas fico quieto, não digo nada.

Há uma espécie de bedel feminina na porta do banheiro. Ela é jovem, bonita, gostosa. Veste-se de uniforme. Chegam duas mulheres de 50 anos. Uma delas pergunta para a bedel:

– A gente precisa usar roupa em todos os ambientes da pousada?

– Precisa, sim – responde a bedel – É para a decência do local. Para vocês não andarem peladas entre os homens.

O problema, retruca a mulher, não era esse. Tinha feito a pergunta sobre a necessidade de roupa porque já era velha: se a vissem pelada, iriam achar seu corpo feio.

Neste momento, reconheço que a mulher é aquela amiga minha.

Então, eu acordo.

(Sonho anotado em 12/04/18)

Veja a tag #sonhos.

“Ela é muito jovem para mim”

Se a personalidade é uma defesa neurótica contra o desespero e você abandona essa defesa, você então admite a enxurrada total do desespero, a plena percepção da verdadeira condição humana. Neurose é outro termo para descrever uma técnica complicada de evitar sofrimento, mas realidade é sofrimento.

Ernest Becker

Psiconautas

Duas lanternas e um lampião alumiam o caminho estreito, ladeado por chacronas e espadas-de-são-jorge. A trilha corre enlameada por conta da chuva do dia anterior, mas esta é uma noite de céu aberto, aquela profusão de estrelas só possível a bons quilômetros da capital paulista.

As lanternas vão nas mãos de Carneiro e Alex. O lampião balança a palmo e meio do chão, carregado pelo líder do grupo. Simões é chamado por eles de “Velho”.

É jeito de falar. Tem cinquenta e poucos, idade não muito superior a dos outros dois. Mas o Velho é o mais experiente na senda do Daime, tem ascendência psicodélica sobre os companheiros.

Rumam na direção do “terreirinho”, batidão de terra nos fundos do sítio onde estão, local do aguardado “trabalho de cura”. Sobre eles, o céu perfurado de estrelas do manto da galáxia. O Velho fala com orgulho do sofrimento passado sob o efeito do chá alucinógeno:

– Teve uma vez que eu e o Gilson fizemos um trabalho de cura lá no Matutu. Nossa senhora! A gente estava muito “pegado”, o Gilson vomitando as tripas. Peia brava. Acabei numas regiões muito feias do astral. A quantidade de bicho feio que eu vi não foi brincadeira.

– Bicho feio? – pergunta Alex, neófito da bebida mágica, com medo do seu primeiro trabalho de cura: um Daime servido mais forte, concentrado, meloso.

– Bicho feio, seres do astral. Seres não muito evoluídos que vêm tentar tirar a gente do prumo, que vêm pra meter medo.

Carneiro, até então calado no fim da fila, com olhar firme no facho da lanterna, também põe orgulho no próprio sofrimento lisérgico:

– Uma vez, Alex, eu vi uma legião de demônios. Eles tentaram arrancar meu coração. Quando achei que ia morrer, depois de ter vomitado, me mijado e me cagado todo, Ogum me protegeu daqueles seres. – conta o Carneiro, todo satisfeito. O Velho retoma a lição:

– Ogum é a melhor proteção nessas horas, além da Rainha – explica, apontando depois para as espadas-de-são-jorge – É muito bom fazer uns banhos com a espada-de-ogum pra se proteger.

Simões segue a linha tradicional, mas desenvolve sua própria liturgia pelos interstícios. Agrega forças de Umbanda nas sessões de cura. Anos de psicodelismo não haviam resultado em algo muito coeso. O Velho tem vasta milhagem psicodélica. Qual a conclusão disso, entretanto, difícil de se dizer.

Antes de iniciarem a caminhada rumo ao “terreirinho”, quando ainda tomavam café e jogavam conversa fora, Alex havia perguntado a Simões qual o progresso conseguido depois de décadas tomando alucinógenos, Daime, ayahuascas peruanas e peiotes mexicanos. O Velho foi vago. Disse que havia aprendido muito, sem contar o quê.

Chegam ao terreirinho. Sentam-se os três em cadeiras de praia, postadas em ângulos de cento e vinte graus, como vértices de um triângulo equilátero. O triangulo está encaixado num círculo imaginário. Por ali, correrá a corrente de força criada pelos três durante a função.

Faz muito frio. Usam capotes pesados, cachecóis e gorros de lã. O lampião e as lanternas são apagados. A única fonte de luz é a vela colocada sobre a mesinha no centro do triângulo, junto a garrafa da bebida concentrada.

Carneiro é encarregado de servir as doses, Simões fica com o comando do trabalho. E Alex reza para que a viagem corra macia. Simões pede que todos se levantem:

– Vamos abrir, então, mais um trabalho de cura. Pedimos que os seres de luz que nos acompanham possam nos guiar nessa noite. Estamos aqui para curar todas nossas enfermidades, físicas e espirituais. Pedimos a proteção de Jesus Cristo Redentor, da Sempre Virgem Maria e de todos seres divinos da Corte Celestial. Bom trabalho a todos.

Dito isso, o Velho deixa de lado a retórica cristã para se mover pelo arcaico. Pega o chocalho e começa a andar por fora do círculo, parando em alguns pontos, segundo a presença ou a ausência de suposto componente invisível.

Balança o instrumento e solta estalos esquisitos com a boca, como se invocasse ou enxotasse forças ocultas. Alex desconfia da percepção sutil de Simões, pressente encenação.

As primeiras doses são servidas. Alex relembra do gosto ruim do chá de cor barrenta, mistura de jagube e rainha, fundidos na água. “É o gosto da mãe-terra”, ele pensa. A vela é apagada e resta apenas a luz das estrelas na calota do céu. O silêncio é imenso.

Vinte minutos se passam até que a mudança de consciência seja notada por Alex. Quando vê, já não é mais o mesmo. A realidade amoleceu. Pode voar com a mente, mas não controla o voo. Vai pelo fio da navalha, qualquer descuido com os pensamentos o leva ao inferno. Uma onda fria de medo.

“Não existe nada a não ser o amor”, Alex repete mentalmente para controlar a vertigem. Abre os olhos e vê seus companheiros, tão humanos. Surge na mente o pensamento de ser especial, mais evoluído que os outros dois ali na roda. A ideia, de início prazerosa, começa a virar dor. Uma sequência de pensamentos de culpa lhe rouba o equilíbrio.

Há interconexão das mentes na roda. Carneiro está vomitando, e Alex sente no próprio estômago o Daime sacolejando. Ele diz à bebida: “Somos irmãos, feitos da mesma terra, não precisamos brigar. Somos feitos da mesma substância”. Acalma-se.

Uma nova dose é servida, Simões começa a cantar hinos sofridos, invocando cobras corais. As cobras logo tomam o terreno em volta, vívidas na “miração” dos três. São frias e hostis, enroladas em grandes montes espalhados pelo terreirinho.

“Ah, a obsessão pela cruz”, pensa Alex. A mesma cruz desenhada no peito pelos companheiros de roda depois que viram suas doses de Daime. “Por que um Deus crucificado?”

Vê o sofrimento e a beleza dos dois parceiros ali na roda. Quer ajudá-los. Então, ouve uma voz clara em sua mente: “Não tente ajudar quem não quer ser ajudado.”

Daí, um mergulho no silêncio, alheio ao que acontece do lado de fora. Por dentro, vai até um mundo de arco-íris, onde encontra um iogue que ele conhecia de um livro. Vai a lugares dos quais nunca se lembrará quando voltar.

Meia hora depois, o Velho começa a puxar os últimos hinos da noite, mais alegres e próprios para a aterrissagem. Alex abre os olhos e sente a presença sólida do amor por tudo em volta. Sabe que o olhar curioso dos dois amigos lhe obriga a voltar ao velho Alex, deixando a onda alucinógena partir, como o sonho que se esvai pela manhã.

Simões parece ter voltado ao normal. Chega a fumar cigarros de filtro vermelho entre um hino e outro. Pergunta se todos estão bem e pede para que se levantem. Toma a palavra depois dos três rezarem o Pai Nosso:

– Agradecemos a oportunidade desse trabalho de cura. Agradecemos a Deus, a Jesus Cristo e à Virgem da Conceição por suas bençãos. Agradecemos aos seres divinos e também àqueles não tão divinos que nos visitaram hoje. Aprendemos com todos eles. Dou o trabalho por encerrado.

Os três homens ali reunidos sorriem e batem palmas, sobreviveram.

Alex senta-se novamente, ainda aproveitando o sonho alucinógeno que vai se desfazendo. Simões e Carneiro estão em pé, excitados, comentando sobre experiências do trabalho. Alex assiste à formação daqueles sujeitos, os homens se conformando aos seus personagens, ajeitando-se às molduras da personalidade. Sabe que também terá de voltar a ser o mesmo de sempre.

Rende-se ao convite, levanta da cadeira, sorri para os dois companheiros. Pede a Simões um cigarro. Os três egos agora reconstruídos começam silenciosos a caminhada de volta. Querem apenas comer alguma coisa quente e se jogar numa cama limpa. Querem agora o sono da inconsciência.

(Conto escrito c. 2002 e atualizado em 2021)

Enxotando os malfazejos

Sonho n° 36

A máquina fazedora de sonhos

Sonho que estamos eu e minha mãe na ponte de Santa Clara, sobre o rio Mondego, em Coimbra.

Estou debruçado na grade de proteção da ponte, observando o leito do rio. Vejo uma caneta esferográfica boiando sobre as águas, descendo no fluxo do Mondego.

Faço um experimento para tentar puxar a caneta com a força da minha mente e, realmente, consigo. A caneta retrocede metro e meio contra o fluxo do rio. Paro de exercer o controle mental, e ela retoma o movimento rio abaixo.

Surge uma mulher que comenta sobre a caneta boiando. Viro para ela e digo:

— Esse é o peixe mais lindo de todos.

A mulher vê um belo passarinho, que passa voando pela gente. Para agradá-la, sigo o passarinho para fotografá-lo com o meu celular. Disparo a câmera várias vezes. Quando vou ver o resultado, há ali um filme, e não uma sequência de fotos, como se era de esperar.

Descubro que o Facebook desenvolveu uma função de criar sonhos, no sentido freudiano de realização de desejos. A ferramenta usa as fotos do celular para criar um sonho desejado pela pessoa.

No filme, o passarinho aparece em close-up e detalhes. A mulher surge também como personagem do filme, andando de esqui sobre o rio Mondego, acompanhada de um homem com quem já teve um caso amoroso.

Resolvo experimentar o novo recurso de sonhos da rede social, faço uma filmagem com minha câmera. Vou ver o resultado.

No filme, aparece um herói chamado Platonic Hill, cujos episódios são formados pela câmera do celular. Ele aparece num episódio em que há uma linda moça comilona.

Há umas 15 ou 20 pessoas reunidas em frente a uma enorme tela para ver o episódio em que o Platonic Hill vai salvar a comilona, que está para cair numa armadilha.

A moça está nadando numa piscina. Aparece o vilão. Ele solta cheiro de carne assada na água. Depois, coloca na piscina um boneco que parece ser feito de carne assada. Quando a comilona chega perto para comer, ela descobre que o boneco, na verdade, é feito de fezes.

A moça começa a passar mal e se debater de nojo na água. Mas Platonic Hill sai voando e mergulha na piscina para salvá-la com um kit médico para prestar os primeiros socorros.

Então, eu acordo.

(Sonho anotado em 16/07/17)

Veja a tag #sonhos.

A ponte de Santa Clara, sobre o rio Mondego