Nunca lhes é permitido voltar a si mesmos; se alguma vez, por acaso, algum sossego os toca, eles se agitam como se em alto-mar, em que depois do vento ainda há turbulência, pois seus desejos nunca lhes dão repouso.

Sêneca